Eu, abstencionista, me confesso


Das muito raras vezes em que, por um impedimento qualquer, me abstive de votar, ficou-me sempre um sentimento de desconforto e culpa. Até domingo passado. Ou, para ser mais rigoroso, até à última semana antes das eleições, quando se tornou claro que nenhum candidato merecia o meu voto e que me fartara definitivamente de condescender com o chamado voto táctico (de protesto, pelo menor dos males ou para evitar o pior). Se o meu voto é a minha liberdade, então é tempo de exercê-la sem o mesquinho espírito calculista da contabilidade eleitoral ou o constrangimento de um dever cívico tomado em abstracto. Esse dever existe, é certo, mas não como dogma que me torna refém, em todas as circunstâncias, daquilo que me é oferecido por quem se candidata às eleições.
Desta feita, portanto, abstive-me. E aproveito para acrescentar: dei por mim a desejar que a abstenção fosse maciça. Na minha crónica anterior, chegara a exprimir o receio de que muitos eleitores se sentissem tão pouco motivados como eu para votar. Era um último sobressalto de má-consciência do abstencionista preocupado em que o seu gesto ganhasse uma expressão excessiva (eventualmente perigosa para a democracia, como é costume dizer-se). Ora, por vezes, o acto de não-votar pode ser menos passivo, mais dinâmico e influente, do que o acto de votar. Precisamente porque exprime um sentimento de inconformidade com aquilo que nos é proposto no comércio estrito e exausto do calculismo político.

Afinal, mais de 62 por cento de abstenções, numa eleição para a capital do país, não podem deixar as coisas como estão – e como estão há já demasiado tempo na nossa ‘democracia consolidada’. São um sinal de alarme de alta intensidade, um sinal para acordar e rever tudo de alto a baixo. Quando se fala de terramoto em Lisboa, é preciso começar por falar deste – porque tudo o mais decorre dele, nomeadamente as vitórias e as derrotas (em especial a derrocada da direita) que emergiram da minoria dos 38 por cento dos eleitores que votaram no último domingo.
Mas não foi por acaso que esse sinal, apesar da sua esmagadora visibilidade, começou por ser recalcado pela maioria dos participantes na eleição e respectivos apoiantes. Cada qual fez as suas pequenas contas como se fosse possível escamotear esse imenso pano de fundo dos 62 por cento de abstenção.

Se os dois partidos da direita saem moribundos das urnas de Lisboa, não se pode dizer que os partidos da esquerda – incluindo o vencedor – tenham grandes motivos para festejar os resultados. Todos perderam votos: Costa teve menos 17 mil do que Carrilho e apenas mais 3 por cento de expressão eleitoral, enquanto Ruben e Sá Fernandes ficaram manietados pelas suas dependências (o primeiro pela retórica do seu partido, o segundo pelo seu próprio protagonismo quixotesco e unipessoal).

Vencedores verdadeiros, além da abstenção, foram Carmona Rodrigues e Helena Roseta. Capitalizando o efeito Alegre nas presidenciais e a magia ‘participativa’ de Ségolène Royal em França, Roseta mostrou-se mais mobilizadora do que os seus concorrentes à esquerda, embora a insistência em clichés abstractos e voluntaristas não prenuncie um programa concreto de acção. De explicação menos óbvia é o fenómeno Carmona: depois de ter deixado Lisboa no estado que se sabe e com a sombra da Bragaparques a persegui-lo, o que levou mais de 16 por cento dos eleitores a votarem nele? Porque soube vender a imagem de vítima simpática e injustiçada, num estilo de populismo soft e inofensivo? Ou basicamente porque – tal como Roseta, embora por razões diversas – foi ao encontro de um crescente sentimento de desencanto e divórcio com o sistema partidário?

Desse sistema, quem está por agora mais exposto – em estado verdadeiramente comatoso – são o PSD e o PP. Mas será uma ilusão pensar que tudo se resume a um problema de lideranças, ao regresso falhado de Portas ou à falta de carisma de Marques Mendes. Se não vejo futuro para nenhum deles, não vejo também futuro para esta direita, sejam quais forem os seus protagonistas anunciados. Só que isso não deveria constituir um consolo para Sócrates – deixado sozinho no deserto político português – e reinando sobre um PS também desertificado.

Anúncios

14 responses to “Eu, abstencionista, me confesso

  1. Hello! I know this is somewhat off topic but I was wondering which blog platform are you
    using for this website? I’m getting tired of WordPress because I’ve had issues with
    hackers and I’m looking at options for another platform. I would be fantastic if you could point me in the direction of a good platform.

  2. This design is wicked! You most certainly know how to keep
    a reader entertained. Between your wit and your videos, I was
    almost moved to start my own blog (well, almost…HaHa!
    ) Great job. I really loved what you had to say, and more than that, how you presented it.
    Too cool!

  3. wonderful post, very informative. I’m wondering why the other experts of this sector do not notice this. You should proceed your writing. I’m sure, you’ve a great readers’ base
    already!

  4. You actually make it appear really easy together with your
    presentation but I in finding this topic to be really one thing
    which I think I’d by no means understand. It seems too complex and extremely broad for me. I am looking forward to your subsequent submit, I will attempt to get the dangle of it!

  5. holiday Costa Blanca

    I am sure this article has touched all the internet users,
    its really really nice piece of writing on building up new weblog.

  6. Have you ever thought about publishing an ebook or guest
    authoring on other blogs? I have a blog centered on the same ideas you
    discuss and would love to have you share some stories/information.
    I know my viewers would enjoy your work. If you’re even remotely interested, feel free to send me an email.

  7. Throughout this great pattern of things you actually receive
    an A+ for effort and hard work. Where you lost
    me was on your details. As as

    the maxim goes, the devil is in the details..
    . And that could not be

    much more correct in this article. Having said that,
    allow me say to you just what

    did work. Your writing

    is actually highly

    convincing which is most likely the reason why

    I am making an effort in order to opine. I do not really
    make it a regular habit of

    doing that. Secondly, while I can see the leaps in
    logic you make, I am not convinced of exactly how you appear to

    unite your details which in turn help to make

    the actual conclusion. For the moment I will subscribe to your issue however
    wish in the near future you connect your dots much better.

  8. Hey There. I found your blog using msn. That is an extremely neatly written article.
    I will be sure to bookmark it and

    return to read more of your useful info. Thank you for the

    post. I will definitely comeback.

  9. of course like your website but you have to test the spelling on quite a
    few of your posts. Several of them are rife with

    spelling problems and I find it very troublesome to
    tell the reality however I’ll surely come

    again again.

  10. Hi there, I found your website via Google while looking for
    a related topic,

    your website came up, it looks good. I have bookmarked it in my google bookmarks.

  11. I am curious to find out what blog platform you’re using? I’m experiencing some minor security problems
    with my latest site and I would like to find something more risk-free.

    Do you have any solutions?

  12. Hey! This post could not be written any better!

    Reading through this post reminds me of my old room mate!
    He always kept chatting

    about this. I will forward this page to him. Pretty sure he will have a good read.

    Many thanks for sharing!

  13. Just in case you aren’t sure with the right temperature to utilize for the clothes,
    the iron shield is going to be the anyone to make sure that the temperature wouldn’t normally cause scorching or burning in your fabric.

    The telescopic cord retracts to keep excess cord out of your way.
    In a Non-smoking area: “If we see you smoking we will assume you are on fire and take appropriate action.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s